-->

- Como ele está indo na fono? - Está bem, se comunicando mais... Franco pega o carimbo da mesa da médica. - Vamos trocar...

Autismo clássico mesmo

19 Comentários

- Como ele está indo na fono?

- Está bem, se comunicando mais...

Franco pega o carimbo da mesa da médica.

- Vamos trocar, Franco? Eu te dou essa caneta e você me dá o carimbo.

Ele aceita. Dá aquele orgulhozinho de mãe.

- Viu? Ele está interagindo bem mais, não fica mais tão apegado às coisas...

- Verdade. Uma evolução mesmo. Vamos examinar.

Franco reclama de ser colocado na maca, mas a médica é rápida com o estetoscópio. Termina o exame.

- Já conseguiu marcar a psiquiatra pra ele?

- Ainda não, estou aguardando. Mas andei pesquisando sobre o assunto, o Transtorno do Espectro Autista... Acho que, se ele tiver, é algo como algum transtorno do desenvolvimento sem ordem definida. Porque, afinal, ele não tem todas as caracterís...

- Ele tem autismo clássico mesmo.

Silêncio.

- As características dele são leves, mas ele tem todas elas. O prognóstico é bom, ele tem evoluído, tem tudo para ter uma vida independente. Mas é autismo.

- Tá bom.

- Inclusive, eu só examinei porque os autistas são muito apegados a rotina. Eu nem precisava examiná-lo hoje. Dessa forma, ele fica sabendo que toda vez que vier aqui terá que ser examinado, até o dia que não vai mais reclamar. Vocês vão perceber que, hoje em dia, não se trabalha com autistas apenas minimizando o estresse, mas sim dando doses pequenas de desconfortos que farão com que ele evolua gradativamente. Ele vai ter que lidar com tudo isso. Só assim ele vai conseguir ficar sentado para assistir a uma aula, aguentar o coleguinha do lado perturbando, essas coisas...

- Entendo.

- Quero vê-lo daqui dois meses. Tomara que consiga marcar a psiquiatra até lá, para conseguir o laudo. Qualquer coisa, eu dou o laudo por aqui, a gente vê o que faz...

Entrei no consultório para uma visita de rotina. Com uma suspeita e muitas dúvidas. Saí com a certeza de que tudo estava diferente.

***


Outros textos

19 comentários:

  1. Amei ,continue e ajude outras mães com o mesmo problema parabens

    ResponderExcluir
  2. Quê Cê Qué? Ele pergunta, eu respondo: Te amar muito !!!! <3

    ResponderExcluir
  3. Conscientização é tudo de bom! Através dela, combatemos os preconceitos, os diagnósticos são mais precoces, da mesma forma as intervenções psicológica e fonoaudiológica, conseguindo os melhores prognósticos. Sou mãe da Cecília, 7 anos, autista e também me descobri autista no momento de seu diagnóstico. Agora entendo minhas diferenças nesse mundão e não me sinto mais tão bicho de sete cabeças. Um autista nunca é igual a outro, somos caixinhas de surpresas e Franco vai te surpreender muito e positivamente. Até os 5 anos, mais ou menos, não dá pra se estabelecer o tipo de autismo, mas certeza é que a diferença ensina novas maneiras de enxergar e se levar a vida. Parabéns pela iniciativa, divulgarei muito! Grande abraço e beijinhos especiais ao nosso guerreirinho Franco.

    ResponderExcluir
  4. Sem palavras, não por medo ou choque, mas pelo realismo que o seu texto reporta. É como se cada um que leu o texto estivesse de frente com a pediatra! Você fez agora o meu mundo mudar, agora também vou conhecer o universo autista. Muita coisa para ser aprendida! Seja nossa mestre! Um beijo nesse seu imenso coração Lindinha. Estamos juntas, TE AMO!

    ResponderExcluir
  5. Odara,que bom que isso aconteceu agora com o Franco pequeno ,vcs novos, para buscar formas de ampliar os horizontes de todos nós,o tipo de autismo da Alyne só foi diagnosticado com seus 23 anos por falta de conhecimento dos médicos buscados.É importante ,apesar de chocante,o diagnóstico,para que se possa requerer todos os direitos que ele faz jus ,porém não deixe que esse mesmo diagnóstico os limite como se fosse um carimbo determinando seu futuro e o do Franco,td é possível, pois não há limite para o amor.Estou orgulhosa de vc,porém não poderia ser diferente com a menina guerreira e independente que sempre foi.Lute por seu filho,sempre.Bjs sua tia Ana

    ResponderExcluir
  6. O amor verdadeiro é assim, só tem começo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim.O dia que descobrimos as claras é muito marcado, mas o amor que se desenvolve é cada dia maior pra sempre.

      Excluir
  7. Gostaria de saber se conseguiu o laudo com o psiquiatra ou com a fono?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alyne,
      O laudo foi dado pela psiquiatra com base no relatório da fono.
      Abraços
      Odara

      Excluir
  8. Parabéns pelo blog!
    Que outras mães se encoragem!
    Acompanharei...
    Bjo

    ResponderExcluir
  9. No começo tudo é muito difícil, principalmente quando vc ouve pelo primeira vez a palavra autista! Não sei bem se é pior ter o diagnóstico ou esse momento de incerteza, meu pequeno é ou não autista, "Seu filho está sob investigação do transtorno do espectro autista"! E aí? Como viver neste momento de incerteza!Em relação ao pequeno estimula- lo ao máximo. Mas digo eu, mãe, como me preparar, ser otimista, acreditar q o meu filho vai sair do espectro, ou pessimista, se preparar para a confirmação, meu pequeno é autista! Na verdade eu quero saber! Não quero viver no limbo! Sei q não terei a resposta na rapidez q gostaria! João Vicente está com 2 anos e meio!

    ResponderExcluir
  10. Se eu tenho uma dúvida, qual primeiro passo? Quem devo procurar? Geneticista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rita, o mais importante é que seja um profissional familiarizado com o assunto, mas pode ser psiquiatra, neuro, fono ou psicólogo.

      Excluir
  11. Odará, graças a um poste seu compartilhado que me trouxe a tona o que eu já desconfiava... meu pequeno Fernando de 2 anos, tem muitas semelhanças com o Franco. No mesmo dia marquei uma pediatra e ela nos encaminhou pra fono e neuro... tudo muito novo... muita coisa para se descobrir. Vamos fazer todo acompanhamento necessário e o principal é o amor da familia! Os médicos acharam melhor não colocar na 3scolinha por enquanto, até ter uma avaliação mais precisa. O Franco já está na escolinha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Lucia!
      O Franco frequenta a escolinha sim. Desde o ano passado. Demos muita sorte nisso, pois ele teve uma professora incrível que nos ajudou, estimulou, deu carinho e fez tudo o que podia para que ele se adaptasse e acompanhasse as atividades e os colegas. Boa sorte para você o pequeno Fernando! Sigam em frente que a caminhada será cheia de boas surpresas :)

      Excluir
  12. Olá Odara....eu assim estou mega emocionada com a história do Franco e assim torcendo por vocês para que tudo dê muito certo...assim senti muita vontade de te dar um forte abraço porque quando temos uma noticia assim sobre nossos filhos vem uma dor,um sentimento que só quem é mãe sabe...Louvo a Deus por sua vida e de Franco e seu esposo e que o Senhor te dê muito muito amor,paciência ,carinho pela vida de Franco...Conte com minha oração.....Forças muitas forças e parabéns pela coragem de escrever o blog e tratar um assunto tão delicado de forma simples,esclarecedora e com muita sabedoria....Um forte abraço

    ResponderExcluir
  13. Olá Odara, o que a fono disse ao dar o diagnóstico? Obrigada

    ResponderExcluir
  14. Olá, Odara! Que belíssima foto do olhar forte de Franco e do suor na carinha de Lucca. Que ambiente de suor e sorrisos repletos de realização pela brincadeira. Abraços! Élcio, 23/6/16.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.