-->

- Teve uma coisa hoje que me chamou atenção... A terapeuta ocupacional parecia ter um assunto delicado para tratar. - Hum. O que? -...

Eu sou autista

2 Comentários

- Teve uma coisa hoje que me chamou atenção...

A terapeuta ocupacional parecia ter um assunto delicado para tratar.

- Hum. O que?

- Então, hoje tinham outras crianças na sessão, e pedi para o Franco se apresentar. Quando falei pra ele dizer no nome, ele falou: “Eu sou autista”.

- Ele disse isso?

- Eu pedi pra ele repetir e ele disse novamente. Eu entendi: “Eu sou autista”.

- Mas... Nossa... Eu preciso falar com o pai dele... Em casa somos só nos dois, eu nunca falo nada sobre o assunto na frente dele. Mas o pai e a família dele também não. Que estranho... Só se foi na escola, mas, gente...

- Precisa ver isso. Porque ele se identificar como autista pode ser um sinal de que algo não está legal, é um rótulo que precisamos saber de onde está vindo...

- Vou ver e te falo. Obrigada.

Meu sangue já ferveu. Saí da terapia desorientada. Meu filho está se identificando como autista porque alguém disse isso pra ele. Se alguém disse isso, ele já está sofrendo preconceito, o que eu achei que fosse uma preocupação pra daqui uns anos só.

Bom, vou ligar para o pai para saber se alguém comentou sobre “autista” durante a viagem que eles fizeram juntos. Se não foi lá. Só pode ter sido na escola. E se foi na escola... Ah, mas esse bicho vai pegar!

- Não, ninguém falou nada de “autista” perto dele na viagem não. Deve ter sido na escola.

A resposta do pai bastou para a fúria tomar conta do meu coração. Vou chegar na escola, chamar a professora em um canto, colocar uma das minhas mãos no pescoço dela e apertar lentamente. "Você tem ideia de que a sua negligência pode causar um dano psicológico no meu filho e que ele pode regredir nas terapias?" Não, muito radical. "Oi, professora, você por acaso comentou alguma coisa sobre o Franco ser autista na frente dele? A terapeuta pediu para eu ver com voc..." Não, boazinha demais, não demonstra a gravidade da situação.

Fiquei uma hora pensando no que fazer. Tudo isso enquanto preparava a comida do Franco e dava uma arrumada na casa.

- Vem, filho. Vem almoçar.

Ele colocou a cadeirinha vermelha de sempre na minha frente e comecei a dar o almoço. Não estava nem olhando pra ele direito, não queria que ele reparasse na minha indignação. De repente, um click na minha mente.

- Filho, qual seu nome?

Sorrisinho sacana.

- Fala, filho, como você chama?

- O Chase está no caso!

- Como?

- O Chase está no caso!

Meus ombros se descontraíram e deixei escapar uma risada com intensidade desproporcional pro momento. Franco acompanhou e caiu na gargalhada.

Lembrei que, há dias, ele estava chamando a amiguinha da casa da frente de Rubble, um personagem da Patrulha Canina. Eu achei interessante na hora, porque, afinal, conseguir trabalhar com o lúdico e sair do concreto era uma evolução no caso dele.

Ele decidiu que seria o Chase (outro cachorrinho do desenho) e repetia o bordão do personagem. E a junção do final da palavra "Chase" com "está" formava um fonema parecido com "tista", que fez a terapeuta acreditar que ele se identificou como autista.

Franco só queria ser um personagem. E eu querendo apertar o pescoço dos outros por aí.
***


Outros textos

2 comentários:

  1. Estava com saudade de seus textos e saudade do Franco... Mais um texto lindo e cheio de emoção... Bom saber que o Franco fala. O Theo não fala nadinha. E sonho com o dia em vou ouvir a palavra "papai" sair da boca dele... Beijos Odara... Saúde sempre...

    ResponderExcluir
  2. Descobri tem um mês que meu filho pode ser autista. Ainda estão investigando, mas quanto mais eu pesquiso mais eu observo os sinais de um TEA, e meu coração de mãe grita isso também. O Ricardo tem 3 anos e 7 meses. Ele só assiste Patrulha Canina agora. Pq quando ele fica em um desenho não adianta insistir em outro. Eu comecei essa investigação pq a escolinha me chamou pra relatar que ele não interagia com os colegas e nem participava das atividades, até hj não consegui fazer nenhum dever de casa com ele, mas ele sabe todas as cores, formas geométricas e algumas letras do alfabeto. Estou correndo contra o tempo pq eu sei que quanto antes entrar com o tratamento menores serão os dados.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.